” Sonho de Um Palhaço “

" Sonho  de  Um Palhaço "

 

Resultado  da  Oficina  " Descobrindo  o Palhaço " ,  do  Núcleo  de  Pesquisas  Teatrais  Àgata ( NPTA ) .     Diversos  personagens , se  encontram  e  mostram  seus   mais  profundos  desejos  e   sonhos , enfrentando  uma  sociedade , que os  obriga  a  mentir .

 

Espaço  Cultural   Nill  de Pádua        
Rua  Mauro  , 437  – Saúde 
Informações  : (11)  3479-3190 
Dia  16 / 05  –  19:30  hs

Homem de lata

Compartilhando o que é bom!

Esse é um texto de Michael Melamed – Pisciano, judeu, poeta e carioca, correntista do Itaú – maneira como o próprio se apresenta!

Pra ficar mais facil de saber quem é ele: recentemente atuou na microsérie Capitu, Michel Melamed interpretou de forma gloriosa o personagem Dom Casmuro… lembrou agora?!

Recomendo também que entre no site dele!

http://michelmelamed.com.br/

Com vcs – Homem de lata

O Homem-de-lata afunda a pata no acelerador de sua caranga de carne-e-osso. Avança sobre o centro nervoso da cidade desalmada afim de lançar o coração como granada. A missão cumprida lança-o à rotina. Homem-de-lata envasa à direçao de sua casa num vôo propulsionado a tapa na nuca, cascudo na carapinha, movido a preguiça – como que içado pelos pentelhos de bombril por uma pinça. Estaciona na garagem do prédio de carne-e-osso. Senta-se no sofá de fígado e abrindo uma latinha de sangue estupidamente barato encrosta-se na sua tv de cartilagem plana. Dorme homem-de-lata, dorme. Adentra essa mata de fibra ótica sob este céu de fusíveis. veja como é belo o mar de gasolina quebrando nos bytes da praia. Sonha homem-de-lata, sonha. O que não te fortalece te mata. Há de haver um lugar onde a vida é só aço, madeira, ferro, plástico. O mundo é também dos que apenas sonham que podem conquistá-lo. Homem de lata, acorda sobressaltado. Onde haverá pedra neste mundo, pensa, estou farto de semi-máquinas. Senta-se à escrivaninha de gordura e, lembrando-se do amanhã, escreve em seu notebook de estrias:

 
 
"Rio de janeiro. Menos 20 graus. Os patinadores cavalgam parelhos no espelho de gelo da lagoa. O Cristo Redentor, quase irreconhecível assim, com a neve cobrindo-lhe o dorso das mãos, pés, braços, ombros, cabeça… não fosse a justa localização e tamanho poderia se suspeitar que fosse outrem ali: Um king-kong petrificado no apogeu da escalada; uma esfinge, de pé, propondo a pantomima de seu enigma; a Estátua da Liberdade – renunciando à tocha, os braços semi-erguidos como asas, livre; quiçá a Torre Eiffel obesa ou mesmo um patético espantalho gigante afugentando o sol… queda lentamente escorada pelo absoluto silêncio, este silêncio hibernado há mais de 500 anos, lapidando as hélices dos flocos para o desbunde branco. Casais sobre esquis descem o Pão-de-Açucar. Na Baía de Guanabara vê-se um pai que puxa o filho num trenó. Pingüins aplaudem a aurora boreal no Posto 9. Vai mesmo que o Pau-Brasil cisma de desbotar na Polônia e uma ave gargarejar na Rússia! Uzbequistão e suas palmeiras do mangue… Sibéria, 40°. Hoje, aqui, são as neves de março que fecham o verão. E promessa nenhuma. Nunca mais."

copo d’água

Acho que um copo é pouco… talvez um galão de vinte litros ajude…

ajude a molhar minha garganta que está tão seca quanto um deserto, devido aos milhões de palavras que não estão sendo ditas.

até para escrever é difícil!

tenho tantas mais tantas coisas pra partilhar…

teve o meu aniver

teve o primeiro modulo da pós

teve o grande encontro no MC, com os meus digníssimos amigos sumidos

teve o dia lindo de morrer no Ibira

teve teve teve teve teve muitas coisas que eu não quero compartilhar, pq eu não quero! Pronto – sou egoísta…

bom, devo deixar claro também que a ausência de tempo impede alguns momentos férteis, pq afinal de contas eu comecei a escrever as 21:17 e agora já são 22:51, mas como inevitavelmente estou fazendo umas 30 coisas ao mesmo tempo não foi possível continuar o raciocínio para concluir o parágrafo da frase de cima…

enfim é assim segue o andar da carruagem…

já dizia Lourenço Mutarelli – "A vida seria melhor se não fosse diária."