ENCONTROS E REENCONTROS por Alessandra Yoshida

Quando tudo parecia calmo.
Quando o corpo já havia se acostumado.
E quando a consciência repousava inerte.
O jogo me chamou e eu fui.

E nesse jogo mais do que resistência física percebi que ele me pedia paciência.
Paciência comigo.
Paciência com o outro.
Paciência para que tudo começasse a fazer sentido.

Algumas pessoas fogem do outro.
Outros tantos se escondem de medo.
Eu fui e descobri que como eu outros 26 mundos tb haviam dito sim.
Sim, eu quero fazer parte deste Universo.

Ah! e quanta diversidade.
Quando diálogo.
Quanto exercício de convivência.
Aquela, que prescinde paciência.

E continuamos andando, passo a passo.
Acertando o rumo ao longo do caminho.
Rodeados pela proteção uns dos outros.
Sentindo, pesando, correndo, curtindo.

Eu vou, você vem.
Eu dou, você também.
Eu falo, você escuta.
Eu mostro, você enxerga.

Tudo aquilo que tantos procuram.
Aqui, neste Universo, tem a granel.
Diversidade, disparidade, várias idades.
Tanto pedimos e quando recebemos o que fazemos?

Gostamos e agradecemos.
Assustamos-nos, mas compreendemos.
Acolhemos e integramos.
Não entendemos e rechaçamos.

Pedir e receber são também uma escolha.
Mudar de opinião no meio do caminho uma opção.
Errar na escolha e continuar aceitando um meio.
Certo ou errado, uma intrigante questão.

Seu corpo mostra o que você sente.
Meus olhos vêem o que eu percebo.
Sua boca fala o que você pensa.
Meus ouvidos ouvem o que eu conheço.

Nessa abertura e exposição.
Segredos contados, medos externados.
Confiança, crença e doação.
Acolhida e respeito sempre à mão.

Sua diferença me completa o ser.
E eu desconfiada já quase não acreditava, que o ser humano ainda podia ser assim.
Abismada voltava, pela estrada e meio que atordoada me punha a pensar.

Esse encontro parece reencontro.
Com o que eu perdi pelo meu caminhar.
Fui e voltei, me revistei.
E olhando o outro eu me encontrei.

Hoje, bom, hoje eu posso dizer com certeza.
Você era parte Alessandra, não era inteireza.
Novas palavras, nova dinâmica.
Resignifica…

E nessa ciranda, nessa dançinha.
Balanço-me e sorrio.
Igual criançinha.
Todos me embalam e me aninham.

Aqui é perfeito?
Não, tem defeito.
E o mais interessante é que nessa troca.
Por mais que me doa eu saio ganhando.

Eu tava tranqüila.
Eu tava de boa.
Mas se ouvi o chamado.
Algo faltava.

Faltava em mim.
Um pouco de tudo.
Um pouco do novo.
Um pouco do muito.

O novo olhar.
Do grupo infinito.
Daquele que dá.
Daquele que fica.

E hoje, ah, hoje eu percebo.
Que sem um eu sou menos.
Menos alegre, menos querida.
Menos inspirada, menos amiga.

Tanto trabalho para crescer.
E de repente eu me vejo mudando de idéia.
Achando que o outro tem mais a ver.
Quando ele fala e me faz refletir.

Nessa reconstrução vou me compondo.
Com o amor que é a semente.
Atenção vai regando.
Gerando respeito dentro da gente.

Em cada encontro um reencontro.
Deixo um pouco e levo outro tanto.
Choro, escuto, sorrio e amo.
Integro em mim o que me dão.

Do Kiko a base da construção.
Tem a Cida me dando inspiração.
A Ana me dá a direção.
Letícia chega com a intuição.

De longe vem gente.
Trazendo consigo.
O que tem de melhor.
Deram-me amigos.

Thiago o sotaque e todo o carinho.
A Denise as palmas e seu calor.
A Bruna a calma.
A Valéria a alma.

Tem gente que chega.
Um pouco mais perto.
Que eu sinto e percebo.
O canal aberto.

A Ana Paula que confiou.
A Bárbara que protegeu.
O Leandro que me cuidou.
A Cláudia que me acolheu.

Cada um no seu ritmo.
Com o seu olhar.
A Cris me falando.
O que eu preciso escutar.

Cuidar do outro, sentir e querer.
A história do Mário.
Reconhecer.
Que o outro me mostra quem eu sou.

Além desses que eu já citei.
Tem gente tão boa.
Preciso contar.
Elas ajudam a me formar.

São partes do todo que está em mim.
A Tânia tão mágica, que em sua crença.
Mostrou-me que acreditar é a diferença.
Deu-me a magia e o brilho do olhar.

A Olga analisa.
Vivi examina.
Lili organiza.
E a Bete suaviza.

A construção do meu ser.
Desse meu mundo.
Tem um monte de gente que já passou.
Eles agora estão em vocês.

Assim como vocês estão em mim.
Por onde eu for vocês estarão.
Prá sempre comigo…
Em corpo, alma, pensamento e oração.

Falando em prece tem o Padre.
Que me trouxe uma nova visão.
Além da Ligia, sem comentários,
Arte e alegria em explosão.

A turma é grande.
Tem muita gente.
Mas isso é o presente.
Que o Cara me deu,

A oportunidade de ter na minha vida.
O lado materno da Tarciana.
Os olhos sinceros do Fernando.
A espontaneidade Jaque tá fica.

E convivendo vou descobrindo.
Sempre alerta, como o Artur,
Que decifrando vou me mudando.
Melhorando com as histórias de vida.

Da vida que pulsa e que me ensina.
Da vida tão viva que a Thábata tem.
Da vida real que a Stella me conta.
E da vida inteira que a Vera mantém.

Esse é o meu Universo
E eu sou dele também.
Nem rima, nem prosa,
Nem verso, nem sei.

E essa história que começou.
Há dez anos e alguém me contou.
Eu e você vamos reescrevendo.
Da semente ao Brotto que vai crescendo.

Um pouco de mim segue contigo.
Cuida disso que eu te dei.
Levo comigo você e seu mundo.
Aqui dentro eu te guardarei.

tá faltando emoção…

Representação bidimensional baseada na teoria de Robert Plutchik
 

 

Emoção, numa definição mais geral, é um impulso neural que move um organismo para a ação. A emoção se diferencia do sentimento, porque, conforme observado, é um estado neuropsicofisiológico.

O sentimento, por outro lado, é a emoção filtrada através dos centros cognitivos do cérebro, especificamente o lobo frontal, produzindo uma mudança fisiológica em acréscimo à mudança psico-fisiológica