“I don’t ever want to drink again”

Amy Amy Amy

 

Lembro com muita clareza o dia que vi pela primeira vez o clipe Rehab, enquanto corria os canais da tv, e fui surpreendida com uma voz rouco meio depre, dizendo insistentemente que não iria pra rehab!

Me apaixonei!

Amy foi cedo, assim com muitas das minhas queridinhas, com voz rouco e sentimento de depre no olhar… É podemos dizer que elas tinham algum tipo de envolvimento com álcool e drogas…. mas só algum tipo de envolvimento, nada sério…

Ficam as músicas, histórias conturbadas que rendem bons filmes, livros e mini-series…

Minha Amy versão nacional poderia ser a Maysa… até marchinha de carnaval ela consegue deixar triste… mas eu adoroooooo!

… Cassia Eller, talvez?! Sim, ela é minha queridinha… um sorriso sincero e um depressão disfarçada em vergonha e timidez.

Elis, a pimentinha…. não sei se pimenta, mas quando queria a Amy fazia o circo pegar fogo com certeza!

Enfim, todas são surpreendentes e sem comparação, afinal os estilos são completamente diferentes e atraentes aos meus ouvidos!

Assim ficamos com o que há de bom:

#011

O que vi da vida, com trilha sonora.

 

Ai você conhece o boy!…

4 anos se passam e você continua acreditando naquele namorinho mais ou menos que só existe na sua cabeça.

A família dele não te aceita, e ele não faz nenhuma questão de te assumir. Mas eis que chegam as noites frias, por que o inverno sempre há de existir!

“Nana na cama que bom!”

Mas suas contas ninguém quer pagar, né?!

“Paga a prestação do fogão, você volta pra mim.”

Porque tudo nessa vida tem um preço.