#19

o amor que não precisa de palavras… que acontece nas falhas do sistema da CPTM.

das histórias que não precisam de texto.

#amorcptm

#tremvazioutopia

#falhabemsucedida

Anúncios

#018

Originalmente pública do em: Papo de Surdo e Mudo em 12/10/2013, por eu, mim, Lets.

“Na vida inteira que podia ter sido e que não foi”

Gosto de lembrar da nossa preguiça de levantar da cama. De ficar horas em silêncio observando um ao outro.

– Não precisávamos de palavras, nossos olhares nos bastavam!

O combinado era você fazer o café e eu comprar o pão, levantávamos juntos, mas quando eu voltava com o pão quentinho, você estava na cama de novo.

Não nós falávamos durante o dia inteiro.

Além da preguiça de levantar da cama, outra coisa que tínhamos em comum era a preguiça de falar ao telefone…

A noite você sempre chegava primeiro do que eu, mas nunca cozinhava porque insistia que a minha comida era mais gostosa! – E era mesmo…

Como eu odeio lavar louça, nosso trato dava certo!

Sabe do que mais sinto falta nessa nossa rotina sem graça e sem novidade?

Você!

Se você existisse seria muito mais fácil nosso relacionamento dar certo!

inspirações: http://obeijo.co

#017

Estaria eu com borboletas no estômago?!

Depois de tudo que disse e fiz, acho que esse seria o momento ideal para a vingança de todos os meus amigos, que sempre jogaram na minha cara, que quando minha hora chegasse eu iria engolir cada palavra (e racionalidade), pronunciada ao longo desses anos.

Ah, “esses moços, pobres moços”…

Não darei o gosto da vitória que vocês esperam há anos!

Aqui me mantenho firme!

“Tudo penso e nada falo”… talvez esse seja um dos sintomas do amor – a falta de ação!

Nada falo, nada faço, nada, nada e nada.

Que medo é esse?!

Que como todo medo, congela e ata?! E cada dia me faz perder o que nunca tive?!

Essa agressividade dissimulada, que a cada segundo me afasta de você, e evidência toda essa minha fragilidade, minha insegurança…

Nego trinta vezes se necessário for!

Assim você se torna mais um texto e menos um amor…

#016

Minha vida acaba quando a sua começa, sem mim.

Todos esses anos fui o que você queria, e acabei me tornando essa outra pessoa, da qual não sei mais me desfazer!

Não  sei seguir com minha vida, sem seus passos a minha frente para me guiar.

Como posso partir?

Eu sou o que você criou, mas você não reconhece sua criação em mim.

Na nossa bagunça não sei o que é meu, pois tudo é nosso, como deveria ser para sempre.

Como devo ir, depois de ser amada?

Ainda pela manhã seu cheiro também é o meu!

“Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir.”

#015

Sobre Sto. Antonio e uísque

 

Não, ela não pegou o buque!

Mas houve uma segunda chance… 3 Sto Antonios foram lançados no ar!

Não, ela não pegou nenhum… nem chegou  perto!

Isso poderia desanimar qualquer um, sobre encontrar o seu grande amor, mas não ela…

Ela é brasileira e não desiste nunca, e por isso foi…

Foi em busca dele… por um triz e um homem ela não o pegou!

Uísque, por você ela nadou… mergulhou no salão como se não houve nada mais importante do que você!

 

#poeminha

#casamentoadrianoecamila

#014

Ah, o carnaval…

Se conheceram na sexta.

Dormiram juntos no sabado.

Brigaram no domingo.

Fizeram as pazes na segunda.

Dormiram juntos na terça… E na quarta feira de cinzas, trocaram apenas mensagens!

 

Semana curta, passa rápido e já era sexta-feira de novo!

 

Duas semanas depois, foram juntos no laboratório pegar o resultado!

Positivo… Ah, o carnaval… sempre rendendo boas histórias… e filhos!

 

#013

Como não esquecer o seu olhar…

Não precisava de palavras pra dizer o que já se era sabido.

Você estava me deixando e não havia nada que eu pudesse fazer pra você mudar de ideia.

Mas eu te amo, e não poderia deixar você simplesmente partir, assim como fizera com o meu coração.

Acabei pegando no sono, e acordei atrás da porta, lugar onde vc me largará chorando, após me agarrar a você, te abraçando pelas costa e implorando que você ficasse.

Hoje, humilhada, passo os dias em devaneios a falar de você aos ventos.

Ainda sou sua.