em 2013…

5

Anúncios

Amores cantados no karaokê!

Já diria o dito popular: “quem canta seus males espanta!”

Mas quem canta nos karaokês da noite paulistana, além de espantar seus males, também chora seus amores.

Não é preciso ser um frequentador assíduo para notar quais os tipos de músicas são as mais pedidas…

Quanto mais antiga, melhor!

Quanto mais sofrida, melhor!

Entre tapas e beijos, encontramos um fio de cabelo no paletó do cachorro, safado, sem vergonha, que foi procurar remédio na vida noturna, disfarçando as evidências com uma nuvem de lágrimas, e com palavras que soam como borbulhas de amor fez-me sentir como uma Deusa!

O mais engraçado é que ninguém gosta ou escuta essas músicas… O/ mas quando as primeiras palavras começam a ser pintadas, o coro já levanta a voz para acompanhar a celebridade que está brilhando no palco!

Ninguém gosta, mais todo mundo canta, faz coreografia, dança coladinho… e eu, que fico aqui tentando entender o amor impossível dessas músicas, e cantando aos berros os amores que não tive!

João Mineiro e Marciano

Letra: Moacyr Franco

Muito prazer em revê-la, você está bonita
Muito elegante, mais jovem, tão cheia de vida
Eu ainda falo de flores e declamo seu nome
Mesmo os meus dedos me traem, discam o seu telefone

É minha cara, eu mudei, minha cara
Mas por dentro eu não mudo
O sentimento não para, a doença não sara
Seu amor ainda é tudo, tudo

Daquele momento até hoje esperei você
Daquele maldito momento até hoje, só você
Eu sei que o culpado de não ter você sou eu
E esse medo terrível de amar outra vez é meu

Sei não devia dizer, disse perdoa
Bem que eu queria encontrá-la e sorrir numa boa
Mas convenhamos, a vida nos faz tão pequenos
Nos preparamos pra muito e choramos por menos

É minha cara eu mudei, minha cara,
Mas por dentro eu não mudo
O sentimento não para, a doença não sara
Seu amor ainda é tudo, tudo

Daquele momento até hoje esperei você
Daquele maldito momento até hoje, só você
Eu sei que o culpado de não ter você sou eu
E esse medo terrível de amar outra vez é meu .

Passione, antropofágica!

O artista é fiel ao amor, a libido, a paixão, jamais a uma pessoa. Ele não trás a mais o apetite, a fome, o amor o tesão… e o artista come de tudo. Os homem, as mulher o tudo que lhe abre o apetite, porque a vida é apetite puro. 

Zé Celso.

“A vida é apetite puro!”

Nisto eu acredito, agora no amor…

Passione – Junio Barreto

Perfume do meu paraíso
Bonita estrago do meu céu
Que até me custe, valha a vida
Vou te amar, vou te amar

Passione, tenho por tu
Tanto guardadinho amor
Agressive não
Safada, és meu vício
Morro em você
Pra viver em mim